Franquias: marcas diminuem custos para atrair investidores

CORREIO vai à maior feira do setor e lista 15 opções entre R$ 699 a R$ 30 mil para você ser dono de seu próprio negócio


Luzia Costa, sócia da Sóbrancelhas, disse que a marca teve de desenvolver um modelo de operação mais enxuto por causa da crise. (foto: Thiago Gustavo / Divulgação)


A crise tem passado longe do setor de franquias, principalmente no mercado do Nordeste. Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), enquanto a expectativa de crescimento nacional para o setor no ano é de 9%, na região ele pode chegar a 10%. Uma parcela significativa deste aumento está vinculada à oferta de modelos mais enxutos, com baixo custo de investimento e operação.


Durante a Feira de Franquias da ABF, que aconteceu entre os dias 27 de junho e 01 de julho, em São Paulo, o CORREIO garimpou pelo menos 15 opções de microfranquias com investimentos iniciais de R$ 699 a R$ 30 mil (veja a lista ao lado). “O mercado do Nordeste está mais aberto do que o restante do país. A crise estimulou esse investimento de menor de capital, o que aumenta a procura pelas franquias menores. Isso tem feito o segmento crescer bastante”, analisa o diretor da ABF Nordeste, Leonardo Lamartine.


Formatos

As franquias no modelo home-office estão entre de menor taxa e também menor custo de operação.

“É um tipo de formato que tem se destacado, porque não precisam de capital para instalar um escritório, por exemplo. A procura é bem interessante”, aponta Lamartine.

Outro formato muito procurado são as versões mais reduzidas que lojas convencionais e quiosques comuns.


“As cidades do interior têm contribuído muito para isso, principalmente com a abertura de novos shoppings", completa o direor da ABF.


Negócios