Como ela foi de funcionária a dona de 11 lojas e faturamento de R$ 5 mi

Anderson Mota e Marly Rodrigues investiram suas economias em uma unidade da rede Sóbrancelhas. Com os ganhos, reinvestiram em novas clínicas



Abandonar a vida de funcionário pela de empreendedor não é nada fácil — especialmente em situações como a do casal Anderson Mota e Marly Rodrigues. Ambos sempre quiseram ter a própria empresa e, diante de uma oportunidade de negócio, investiram todas as suas reservas em uma franquia.


Pesquisar bem sobre o mercado e a franqueadora, além de adquirir experiência como funcionário no ramo de atuação, provaram-se diferenciais. No concorrido mercado de “embelezamento do olhar”, que proliferou clínicas de estética nos últimos anos, Anderson e Marly operam 11 unidades da rede Sóbrancelhas. Em 2018, faturaram 5 milhões de reais. Para este ano, querem chegar a 20 clínicas de estética e 8 milhões de reais em faturamento.


De funcionária a franqueada


Marly diz que sempre quis ter o próprio negócio, mas não tinha experiência nem dinheiro para tal. Ela trabalhava como massagista corporal e facial e recebeu uma oferta para realizar design e procedimentos estéticos de sobrancelhas em uma loja nova, chamada Sóbrancelhas.


Marly foi a primeira funcionária da loja, localizada em Taubaté (São Paulo). Trabalhou perto da fundadora, Luzia Costa. Além dos treinamentos na área, afirma que aprendeu princípios de gestão que hoje aplica em suas lojas.

“Desde como gerir o dia-a-dia da clínica, como compras de produtos e pagamentos de contas fixas, até o processo para contratar um funcionário. Mas, principalmente, aprendi a não desistir. Para quem não vem de um berço de ouro, é fundamental”, explica.


Em pouco tempo Marly começou a ver clientes interessadas em franquias e contava a elas como era a operação. “Vi como a loja piloto ia bem e falei ao meu marido que, se tivesse dinheiro, teria uma loja”, diz a empreendedora.


Após sete meses como funcionária, ela decidiu que queria ter sua própria unidade. Além de estudar o plano da franqueadora, conversou com quem já tinha franquias – inclusive as mesmas clientes com as quais havia conversado há poucos meses.

Máteria da Exame.com: https://exame.abril.com.br/pme/como-ela-foi-de-funcionaria-a-dona-de-11-lojas-e-faturamento-de-r-5-mi/